Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 12 de fevereiro de 2012

   Ano passado, um professor do STBNe, fez uma pergunta pra nossa turma, que me fez pensar bastanteee...rs...a difícil pergunta era: Quem sou eu? E foi um exercício tão bom de fazer, que resolvi colocar aqui o resultado...rsrsrs...
Quem Sou EU??
    Eu bem poderia responder assim: Sou uma pessoa sensível, amiga, alegre, que gosta de viver, e outras qualidades e também defeitos; mas creio que mesmo sendo tudo isso verdade, seria ainda superficial para o modelo proposto nesta atividade, então, pra responder, fiz um exercício que faço sempre que quero saber algo sobre mim, de mim mesma; olhei-me no espelho, mas não como quem olha pra se admirar, olhei-me como quem tenta enxergar o mais profundo da alma, o mais íntimo da própria existência, e eis aí o que encontrei:
     Sou hoje o resultado de uma caminhada... Caminho este que vem sendo percorridos há quase 26 anos, os primeiros anos sem tanta consciência, mas ainda assim muito importantes... Percebo que para avaliar o EU atual, preciso olhar para o EU passado, e quando olho para este vejo o quanto cresci...
    Quando penso em quem eu sou, eu penso em vida, penso em Deus e assim penso nos mistérios que envolvem a minha existência no mais profundo, e vejo que sou constantemente desafiada a esta profundeza. Quando isso acontece, geralmente me sinto mais sensível, e consigo perceber de forma mais latente as situações que me cercam, as mazelas funcionam como aguilhões capazes de estraçalhar-me e me fazem pensar que não haverá como reconstituir, mas então me sinto forte o suficiente para transpor mais esta barreira.
   O espelho que por vezes, me mostra quem sou, mostra uma pessoa que ainda não descobriu todo o potencial que tem, mas que ao mesmo tempo, tem se esforçado para isso.  Tenho ganhado tempo em minha existência refletindo sobre a vida, minha vida, e penso que a vida pode significar o ato do acaso - por  ser O Criador supremo dono dos mistérios e não nos caber mais do que isto: viver cada dia, mas viver de forma que esta “vida” tenha sempre sentido.
     Encaro minha vida como ciclos, altos e baixos. Não tenho mais medo da noite [entenda noite como aquilo que ainda é desconhecido], mas percebo- a partir do crepúsculo com aquilo que ela tem a me ensinar, pois os dias passam, e muitas vezes buscamos respostas e não as encontramos.
     Mesmo com tantas perguntas sem respostas ainda, tenho uma certeza, a de que quero sempre, verdadeiramente viver, pensando na criação, pois é através dela que o EU materialmente É, e a ciranda do equilíbrio me "desequilibra" para revelar o seguinte: "Reequilíbrio" – uma Lógica da vida!    
Ocorreu um erro neste gadget